Âmago

Terras do abismo Em que me atirei Não serão nada Além de poeiras batidas Em que me matei. Estirada, assentada, retirada Deitada, morta, ali. Uma vida de horror Uma morte de amor. O que é a vida Senão uma poesia Cantada e falada em prantos Tristes de amor?! O que é a morte Senão a…

Depois de Otelo, Romeu & Julieta e Hamlet: meu bloco de notas

Depois do drama de Otelo ter invadido minhas noites por alguns dias, resolvi ler um drama de meu maior interesse: meu bloco de notas. Quem me conhece também não sabe, mas tenho mania, hábito, chame como quiser, de – quando ficar bravo, triste ou simplesmente em meio a uma epifania – catar o bloco de…

A mulher que me fez verdadeiramente homem

Eu tive a imensa sorte de ter uma mãe que nunca disse “engole o choro” ou mesmo “homem não chora”. Esta mulher que me formou homem, foi aquela que estendeu os braços de canto a canto, medindo o tamanho do mundo, e me acolheu em suas asas, dando todo o conforto deste mundo medido. Os…

Quando a primavera sorriu, ele partiu

Eu tava tomando meu café quentinho quando ele apareceu. Tudo me tremia e eu a tudo temia. Se deitou em cima da minha vida e me aqueceu por inteiro. Adotou um travesseiro, se sentiu em casa, tomou água no meu copo particular, dormiu na minha cama e fez parte da minha vida ao me dizer…

Rua dos livros

Somo todas as crises em mim. Sou o prisioneiro das minhas próprias insatisfações que viraram parte de mim. Se um dia eu me senti o cara anti-prodígio que viveria na sarjeta e colecionaria falhas, hoje sou alvo do meu próprio medo de errar, mas no palco que a vida tratou de montar. To na frente…

Protejam as cabeças, está chovendo tanquinho

1, 2, 3 tanquinhos pularam na minha time de uma única vez enquanto eu rolava procurando receitas deliciosas pra salvar na barra de favoritos e nunca fazer. Enquanto eu somo minhas gordurinhas que formam uma barriga de chope de quem não bebe chope, mas muita caneca de café e entornadas de sedentarismo, penso: qual é…

A vida é difícil mesmo

Ninguém se importa!  Ninguém liga se seu desejo é sumir. Seu desejo será realizado. Falaremos de férias, afinal, a vida é difícil mesmo, o que mais posso te dizer? É o “foda-se” disfarçado. Muito mal disfarçado, disfarce conseguido nos últimos segundos do segundo tempo pra te tirar daquela situação chata de alguém querer desabafar. Me…

Ansiedade é a culpada pelo fim do mundo

Eu conheço… Conheço esses pensamentos homicidas e suicidas. Conheço esse alvoroço de acontecimentos que nunca aconteceram. Conheço essas histórias de terror que me vem à cabeça com os que amo de protagonistas. Conheço esses diálogos de ódio apavorado por essas bocas que já me disseram amor. Conheço essa relutância, essa relutância, essa relutância, essa relutância…

Não é assim uma Brastemp, mas meu sobrinho manda ver

Perderam a noção! Descobriram há um tempo (não se sabe quando) a necessidade da publicidade mas não sua importância. O online disseminou, o viral impregnou e a publicidade e propaganda está adoentada. Todos querem comunicar mas ninguém quer pagar. O que antes era luxo da Brastemp, Coca-cola, Skol e Volkswagen, hoje é desejo do barzinho…

A Mulher e a Cartomante

Conheci essa mulher, de vários nomes, vários trejeitos, várias curvas, várias cores e, sobretudo, várias histórias. Nesta, dizia ela, apaixonada pelos mistérios da vida que só!, se atou numa amiga e partiram no Chevette 85, verde oliva, rumo à cartomante. Luzia disse não acreditar, são essas bobagens da vida pela experiência de se ver o…

Coisa de velho

A idade chegou!  Não que eu não tenha reparado no espelho as rugas aparecendo quando sorrio, ou nas entradas que estão aparecendo de supetão e marcando sua trilha da infelicidade, tornando a testa e a nuca um só coração, até que a morte os separe. Não que eu não tenha tomado mais cuidado com a…

Aquele vazio cheio de um silêncio barulhento

Tem um silêncio alvoroçado acontecendo na minha cabeça. Há tanto. Há tanto. Há tan-to. Existem um zilhão de mentes vivendo aqui. Um barulho de carro ecoa uma, duas, três mil vezes. O latido do cachorro ali na esquina da quinta avenida é uma manada (sim, “manada”) berrando no meu ouvido. Uma voz fala mais alto…