Quem caga seus males espanta

Sou constipado!

Desde que me entendo por gente assumo o papel de travado da família. Minha mãe é uma boa fã de mamão e jamais sofrerá de constipação, viva ao mamão! Eu, no entanto, sou a vergonha, o que fica dias sem ir ao banheiro. Quando vai, por sua vez, demanda horas de concentração e repertório em oração, derrama litros de suor (e mililitros de lágrimas – combinação perfeita de dor e felicidade, coisa linda, poesia de merda!) e ainda lida com as caras contorcidas em horror, provavelmente parecidas com a sua neste momento, quando conta essa história, seja lá pra quem for.

“Toma Activia!” é o bordão que acostumei ouvir. A marca de Iogurte fez bem seu trabalho de comunicação na mente do consumidor, mas nada bem dentro deste consumidor: não regulou, pelo contrário, desregulou. Quis tirar o atraso! Acontece que a merda não tá dias atrasada, mas vidas. Capaz de ter merda aqui do tempo do epa! “Epa” este em que a Xuxa ainda descia na sua linda nave e eu sonhava em ter um daqueles beijinhos ensebados de batom vermelho na palma da mão. E ainda tem as dores. Ah! As dores. Não a “das Dores” mas “as dores” mesmo! Tão belas. Tão puras. Tão putas. As dores do parto daquela merda acumulada da década de 90 fazem par aos “urrg”, “arrrg”, “iiiiirrrg”, em bela performance primata. Percebeu que o evento é retrô-retrôzão mesmo, né?! Melhor ir à caráter. 

É festa, mas não me orgulho. Na verdade existe uma sincera admiração e inveja de minha parte aos que comparecem ao trono cotidianamente, como fiéis com seus aparatos e rituais diários, com a crença acesa de que se não o fizerem arderão no mármore do inferno. Há poesia nisso! Uma promessa de um futuro próspero. É organização pessoal que emana de dentro (do intestino) pra fora (sanitário abaixo). Não são enfezados, sim felizardos. Parecem ter nascido pra constituir uma família e ser feliz. São seres de fibra, ferro e proteína, que sabem se expressar socialmente e emanam as merdas de suas vidas por água abaixo. Pessoas como eu, por sua vez, parecem ter nascido pra ter mau humor, reclamar, não cagar e terminar por escrever uma crônica merda sobre o cocô que veio pra ficar e ainda teve a pachorra de chamar toda a família pra morar junto. 

Mas hei de concluir este texto com final feliz, pois hoje foi diferente: comi uma pizza gordurosa, 5 queijos, calabresa e muito óleo. Viva à pizza gordurosa! O estômago reagiu, gritou, se libertou e saiu fazendo estrago mostrando pro que veio. Bateu panela, cansou da procrastinação. Pois bem, neste belo dia em que resolveu mudar, o gigante acordou e fez jus à alforria pela qual tanto (não) lutou. Anunciou a renúncia às paredes do intestino, reformulou a expressão popular e ensinou à patente (e a mim) que quem caga seus males espanta. Por isso: adeus, males, até nunca mais (ou até amanhã)!


Sincero, eu espero,
Gui Morais.
24 anos, publicitário.
Facebook: Sincero, Eu Espero.
Instagram: mr.gmorais.
IMG_1783

Anúncios

Desabafa

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s